17/09/2017

Playlist Diplowife: Natasha Bedingfield - Unwritten





Natasha Bedingfield - Unwritten

I am unwritten, can't read my mind, I'm undefined
I'm just beginning, the pen's in my hand, ending unplanned

Staring at the blank page before you
Open up the dirty window
Let the sun illuminate the words that you could not find

Reaching for something in the distance
So close you can almost taste it
Release your inhibitions
Feel the rain on your skin
No one else can feel it for you
Only you can let it in
No one else, no one else
Can speak the words on your lips
Drench yourself in words unspoken
Live your life with arms wide open
Today is where your book begins
The rest is still unwritten

Oh, oh, oh

I break tradition, sometimes my tries, are outside the lines
We've been conditioned to not make mistakes, but I can't live that way

Staring at the blank page before you
Open up the dirty window
Let the sun illuminate the words that you could not find

Reaching for something in the distance
So close you can almost taste it
Release your inhibitions
Feel the rain on your skin
No one else can feel it for you
Only you can let it in
No one else, no one else
Can speak the words on your lips
Drench yourself in words unspoken
Live your life with arms wide open
Today is where your book begins

Feel the rain on your skin
No one else can feel it for you
Only you can let it in
No one else, no one else
Can speak the words on your lips
Drench yourself in words unspoken
Live your life with arms wide open
Today is where your book begins
The rest is still unwritten

Staring at the blank page before you
Open up the dirty window
Let the sun illuminate the words that you could not find

Reaching for something in the distance
So close you can almost taste it
Release your inhibitions
Feel the rain on your skin
No one else can feel it for you
Only you can let it in
No one else, no one else
Can speak the words on your lips
Drench yourself in words unspoken
Live your life with arms wide open
Today is where your book begins

Feel the rain on your skin
No one else can feel it for you
Only you can let it in
No one else, no one else
Can speak the words on your lips
Drench yourself in words unspoken
Live your life with arms wide open
Today is where your book begins
The rest is still unwritten
The rest is still unwritten
The rest is still unwritten

Oh, yeah, yeah

Written by Tarik L. Collins, Ahmir K. Thompson, Karl B. Jenkins, Tahir Cheeseboro Jamal, Khari Abdul Mateen, Radji Mateen, Ridhwan Mateen • Copyright © Sony/ATV Music Publishing LLC,

Universal Music Publishing Group

Playlist Diplowife: Nelly Furtado - I'm Like A Bird




Nelly Furtado - I'm Like A Bird

You're beautiful and that's for sure
You'll never ever fade
Your lovely, but it's not for sure
And I won't ever change
And though my love is rare
And though my love is true
I'm like a bird
I'll only fly away
I don't know where my soul is (Soul is)
I don't know where my home is
And baby all I need for you to know is
I'm like a bird
I'll only fly away
I don't know where my soul is (Soul is)
I don't know where my home is
And I need for you to know
Is your faith in me brings me to tears
Even after all these years
And it pains me so much to tell
That you don't know me that well
And though my love is rare
And though my love is true
I'm like a bird
I'll only fly away
I don't know where my soul is (Soul is)
I don't know where my home is
And baby all I need for you to know is
I'm like a bird
I'll only fly away
I don't know where my soul is (Soul is)
I don't know where my home is
And baby all I need for you to know is
It's not that I want to say good-bye
It's just that every time you try to
Tell me, me that you love me (Oh, oh)
Each and every single day
I know I'm gonna have to eventually give you away, yeah
And though my love is rare
And though my love is true yeah
And I'm just scared
That we may fall through, yeah, yeah
I'm like a bird (I'm like a bird)
I don't know where my soul is (Soul is)
I don't know where my home is
And baby all I need for you to know is
I'm like a bird
I'll only fly away
I don't know where my soul is (Soul is)
I don't know where my home is
And baby all I need for you to know is
I'm like a bird
I'll only fly away
I don't know where my soul is (Soul is)
I don't know where my home is
And baby all I need for you to know is
I'm like a bird
I'll only fly away (I don't know where my soul is)
I don't know where my soul is
I don't know where my home is
And baby all I need for you to know is
I'm like a bird
I'll only fly away (I don't know where my soul is)
I don't know where my soul is
I don't know where my home is
And baby all I need for you to know is
I'm like a bird
I'll only fly away
I don't know where my soul is
I don't know where my home is
And baby all I need for you to know is

Compositores: Nelly Furtado

Letra de I'm Like a Bird © Sony/ATV Music Publishing LLC

Playlist Diplowife: Train - Drops of Jupiter





Train - Drops of Jupiter

Now that she's back in the atmosphere
With drops of Jupiter in her hair, hey, hey
She acts like summer and walks like rain
Reminds me that there's time to change, hey, hey
Since the return from her stay on the moon
She listens like spring and she talks like June, hey, hey
Tell me did you sail across the sun
Did you make it to the Milky Way to see the lights all faded
And that heaven is overrated
Tell me, did you fall from a shooting star
One without a permanent scar
And did you miss me while you were looking for yourself out there
Now that she's back from that soul vacation
Tracing her way through the constellation, hey, hey
She checks out Mozart while she does tae-bo
Reminds me that there's room to grow, hey, hey
Now that she's back in the atmosphere
I'm afraid that she might think of me as plain ol' Jane
Told a story about a man who is too afraid to fly so he never did land
Tell me did the wind sweep you off your feet
Did you finally get the chance to dance along the light of day
And head back to the milky way
And tell me, did Venus blow your mind
Was it everything you wanted to find
And did you miss me while you were looking for yourself out there
Can you imagine no love, pride, deep-fried chicken
Your best friend always sticking up for you even when I know you're wrong
Can you imagine no first dance, freeze dried romance five-hour phone
Conversation
The best soy latte that you ever had, and me
Tell me did the wind sweep you off your feet
Did you finally get the chance to dance along the light of day
And head back toward the Milky Way
And are you lonely looking for yourself out there?
Tell me did you sail across the sun
Did you make it to the milky way to see the lights all faded
And that heaven is overrated
Tell me, did you fall from a shooting star
One without a permanent scar
And did you miss me while you were looking for yourself out there

Compositores: Charles Colin / Charlie Colin / James Stafford / James W Stafford / Pat Monahan / Robert Hotchkiss / Robert S Hotchkiss / Scott Underwood / Scott Michael Underwood

Letra de Drops of Jupiter © Sony/ATV Music Publishing LLC

15/09/2017

Documentário Caminhos da Diplomacia






Entrevista com o Embaixador Rubens Ricupero

Dando continuidade aos posts sobre "diplomatas famosos", hoje vamos acompanhar a trajetória do Embaixador Rubens Ricupero, bem como entrevista concedida por ele ao Ministro Paulo Roberto de Almeida, publicada recentemente no Mundorama. As informações sobre o Embaixador têm como fonte a página www.rubensricupero.com.

BIOGRAFIA

Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, turma Clovis Bevilaqua, 1955-1959.  Curso de Preparação à Carreira Diplomática do Instituto Rio Branco, Rio de Janeiro, 1955-1960. Prêmio “Lafayette de Carvalho e Silva”: 1º colocado no exame de ingresso ao IRBr, 1958. Prêmio Rio Branco e Medalla de Vermeil: 1º colocado no curso do IRBr, 1959-1960.

Ultimo cargo
Secretário-Geral da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD), mandatos de 1995 a 1999 e de 1999 a 2004. Subsecretário Geral da ONU no mesmo período.

Cargos governamentais
Ministro do Meio Ambiente e da Amazônia Legal, 1993-1994; e Ministro da Fazenda, 1994.

Atividades Profissionais
Diplomata da carreira. Lotado em Brasília (1961 – 1963), Viena (1963-1966), Buenos Aires (1966 – 1969), Quito (1969 – 1971), Brasília (1971 – 1974), Washington (1974 – 1977), Brasília (1977 – 1987), Genebra (1987 – 1991) e Washington (1991 – 1993).  Chefe da Divisão de Difusão Cultural (1971 – 1974). Chefe da Divisão da América Meridional – II e de Fronteiras (1977 – 1981). Chefe do Departamento das Américas (1981 – 1985). Assessor Internacional do Presidente-eleito Tancredo Neves (1984 – 1985). Subchefe da Casa Civil do Presidente da República (1985). Assessor Especial do Presidente da República (1985 – 1987). Embaixador – Representante Permanente do Brasil em Genebra (1987 – 1991). Coordenador do Grupo de Contacto sobre Finanças da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, Rio de Janeiro (1992). Embaixador do Brasil em Washington, (1991 – 1993). Embaixador do Brasil em Roma (1995).

Atividades em Genebra
Presidente do Comitê de Comércio e Desenvolvimento do GATT (1989). Presidente do Conselho dos Representantes do GATT (1990). Presidente das Partes Contratantes do GATT (1990 – 1991). Presidente do Grupo Informal dos Países em Desenvolvimento do GATT (1989 – 1991).

Atividades Acadêmicas.
Professor da Teoria de Relação Internacionais, UnB, Brasília (1979 – 1987, 1994). Professor de História das Relações Internacionais do Brasil, Instituto Rio Branco (1980 – 1987, 1994). Professor Honorário da Academia Diplomática do Peru. Professor da UNITAR da ONU – Cursos ministrados no Suriname e Gabão.


TRECHO DA ENTREVISTA PUBLICADA NA MUNDORAMA

"A diplomacia na construção do Brasil – uma entrevista com Rubens Ricupero, por Paulo Roberto de Almeida


1 – Por que o sr. escreveu A diplomacia na construção do Brasil?

Porque não consegui encontrar nas livrarias o livro que procurava quando comecei a dar aulas de história das relações internacionais do Brasil, quarenta anos atrás. Precisava de um texto que me ajudasse a ensinar como a política externa era um fio inseparável da trama da história nacional, uma parte integral de tudo o que acontecia naquele momento, ligada, não separada da sociedade como um todo.

2 – Não havia nenhuma obra que tratasse desse tema?

Na época, as obras gerais sobre história do Brasil quase não falavam da política externa, no máximo alguns parágrafos ou notas ao pé da página. O mundo exterior não existia, era como se a história de um país constituísse um todo suficiente, fechado em si mesmo. Já as histórias diplomáticas cometiam o erro oposto: só tratavam da diplomacia, sem mencionar a política interna e a economia, como se a política externa funcionasse dentro de um vácuo. Uma das originalidades desta obra é que ela tenta não separar diplomacia, política e economia interna. Sobretudo nos capítulos sobre os períodos mais recentes, a atenção dedicada à economia e à política é quase igual ao espaço da diplomacia.

3 – Qual a linha mestra do livro?

Além de narrar uma história, a da política externa, procurei mostrar como a diplomacia ajudou a dar forma à história e à identidade do Brasil, como vieram da diplomacia alguns dos valores e ideais básicos da imagem que os brasileiros fazem de si próprios. Por exemplo, o pacifismo, a tendência de resolver conflitos pela conciliação, a negociação, a transação, a repulsa à violência, ao militarismo, à conquista pela força, a opressão de outros povos. Ainda que essa imagem seja interesseira, que não corresponda inteiramente à realidade, a própria escolha desses valores é melhor do que se imaginar como povo conquistador, predestinado a impor a democracia ao mundo, com direito a anexar território dos vizinhos, ideologias frequentes em muitos países.

4 – A que tipo de leitor se destina a obra?

O livro se dirige não apenas aos professores, estudantes de relações internacionais, ciências sociais, diplomatas, internacionalistas, mas aos leitores que se interessam pela história do Brasil e querem compreender como o país se relacionou com o mundo exterior e foi influenciado por acontecimentos e tendências externas. Mesmo aqueles que tentam entender porque o Brasil mergulhou na profunda crise atual talvez encontrem no texto algumas reflexões úteis. Evitei o tom apologético das histórias antigas, para as quais o governo brasileiro sempre tinha razão. Há um esforço de compreender e valorizar as perspectivas do outro, de nossos vizinhos, às vezes adversários, e a disposição de assumir que em alguns casos, tivemos uma parcela de culpa nos conflitos e guerras na região do Rio da Prata.

5 – Qual o papel da diplomacia brasileira para a conformação de nosso atual território?

Se não fosse o êxito da diplomacia brasileira, o Brasil teria hoje um território de apenas um terço do atual e não seria um país continental capaz de fazer parte dos BRICS. A aceitação pacífica e a legalização da expansão territorial foram o produto da perseverança com que a diplomacia se dedicou à questão até 1910 mais ou menos. Atribui-se ao barão do Rio Branco a frase “território é poder”. É óbvio que território apenas, sem desenvolvimento, não representa grande coisa. O território, porém, é a condição que torna possível não só o poder, mas a soberania. Definir o território constitui o ato inaugural do relacionamento do país com o mundo. Sua importância é fundamental: a maioria das guerras teve origem em disputas territoriais. Consolidar o território pela diplomacia, sem guerra, faz uma diferença enorme no destino histórico de qualquer nação.

6 – O sr. enaltece no livro a chamada “diplomacia do conhecimento”. Por que?

Entre as histórias que conto no livro, uma ilustra bem como nossa diplomacia se baseou sempre no conhecimento. Uma vez, o médico de Rio Branco chegou de manhã ao Itamaraty e o encontrou de roupa amassada. Constrangido, o Barão apontou para um enorme mapa desdobrado no chão e confessou que tinha querido examinar detalhes do mapa e adormecera em cima dele. Esse episódio verídico explica o êxito da diplomacia na negociação dos limites do Brasil. As vitórias nas negociações e nas arbitragens foram preparadas por anos de busca e estudo de velhos mapas e documentos em arquivos e bibliotecas.

Foi graças a essa “diplomacia do conhecimento” e a métodos de “poder suave” como a negociação que o Brasil, país sem grande poder militar ou econômico, conquistou um território de vastidão continental e imensas riquezas naturais. Jamais teríamos chegado perto desse patrimônio se tivéssemos recorrido a meios militares.

 7 – Qual o balanço que o sr. faz de nossa diplomacia de 1750 até os dias de hoje?

Com seus acertos e erros, a diplomacia marcou profundamente cada uma das etapas definidoras de nossa história: a abertura dos portos, a independência, o fim do tráfico de escravos, a inserção no mundo pelo comércio, os fluxos migratórios, voluntários ou não, base da população, a consolidação da unidade nacional ameaçada pela instabilidade na região platina, a modernização, a industrialização e o desenvolvimento econômico.

 8 – A maior parte dos problemas enfrentados por nossos diplomatas durante o século XIX foi com os nossos vizinhos sul-americanos. Como o sr. avalia essa relação?

O que distingue o caráter internacional do Brasil é o grande número de vizinhos, dez, comparados aos Estados Unidos (dois), ao Canadá (um), à Austrália (nenhum). Além de muitos, esses vizinhos são heterogêneos, vão da Guiana Francesa ao Uruguai, do Suriname à Bolívia, do Peru à Guiana ex-inglesa. Conseguir estabelecer limites com todos por meio de negociação, transação, arbitragem, sem guerra de conquista, não é tarefa menor a ser subestimada. Basta comparar a experiência brasileira com a de outros países com numerosos vizinhos (Rússia, China, por exemplo). Em março de 2020, aniversário do fim da Guerra do Paraguai, o Brasil completará 150 anos sem nenhuma guerra com um vizinho. Quantos países poderão dizer o mesmo?

9 – E como o sr. explica esse êxito da política de fronteiras?

Pela opção não violenta da delimitação, a preparação cuidadosa, a continuidade na defesa de uma linha coerente de ação diplomática, a perseverança. A definição pacífica poupou ao Brasil a condição de refém de litígios fronteiriços que teriam paralisado boa parte da nossa capacidade de iniciativa diplomática. Também o senso de oportunidade de resolver relativamente cedo todas as questões pendentes criou condições para desenvolver diplomacia voltada não para resolver conflitos, mas para dar ao relacionamento com os vizinhos conteúdo concreto de cooperação e de comércio. A diplomacia precisa, para isso, saber captar a realidade exterior, interpretar corretamente o mundo e suas oportunidades. Em sentido inverso, necessita igualmente explicar o país ao mundo, torná-lo admirado, digno de atrair apoio político, de receber capitais, imigrantes, tecnologia."



PARA LER A ÍNTEGRA, ACESSE: http://www.mundorama.net/?p=23942

Mundorama. "A diplomacia na construção do Brasil – uma entrevista com Rubens Ricupero, por Paulo Roberto de Almeida". Mundorama - Revista de Divulgação Científica em Relações Internacionais,. [Acessado em 15/09/2017]. Disponível em: <http://www.mundorama.net/?p=23942>.


Leia também: ALMEIDA, Paulo Roberto A diplomacia na construção do Brasil – 1750-2016: livro de Rubens Ricupero (em breve). Diplomatizzando. [Acessado em 15/09/2017]. Disponível em: < http://diplomatizzando.blogspot.com.br/2017/09/a-diplomacia-na-construcao-do-brasil.html

14/09/2017

Como é o estágio na DELBRASGEN?

Como é o estágio na DELBRASGEN? O clipping CACD publicou um relato da advogada e cacdista Lídia Dreher sobre sua experiência em Genebra, na Delegação Brasileira. Confiram, é bem interessante.





31/08/2017

Clube do Livro: Diplowife - Mês 08





"The hilarious memoirs of an undiplomatic wife. This is Cherry Denman's witty take on her life trailing husband Charlie round some of the most godforsaken outposts of the world. Illustrated by brilliantly funny cartoons of diplomatic life, this is a collection of clever and very funny tales of global misunderstanding."

21/08/2017

Exercício de Atividade Remunerada por parte de Dependentes

Decreto nº 9.134, de 18.8.2017 - Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Italiana sobre o Exercício de Atividade Remunerada por parte de Dependentes Residentes do Pessoal Diplomático, Consular e Técnico-Administrativo, firmado em Roma, em 11 de novembro de 2008.

Decreto nº 9.133, de 18.8.2017 - Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República da Turquia sobre o Trabalho Remunerado de Dependentes de Membros de Missões Diplomáticas e Repartições Consulares, firmado em Ancara, em 21 de outubro de 2010.

Decreto nº 9.132, de 18.8.2017 - Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República da Polônia sobre o Exercício de Trabalho Remunerado por Membros da Família que Permanecem sob Sustento de Membro do Pessoal da Missão Diplomática ou da Repartição Consular, firmado em Brasília, em 26 de novembro de 2012.