08/04/2015

Entrevista: Casais no Itamaraty - Parte II

Neste segundo post da série "Casais no Itamaraty", transcrevo as respostas de alguém da carreira de Oficial/Assistente de Chancelaria. Resolvi ampliar o âmbito de entrevistados (antes somente de diplomatas), para podermos ter diferentes óticas sobre o mesmo assunto, que interessa a todos no MRE. 

Foto: Tatuagens para casais

Pergunta:  Você acredita que o relacionamento entre Oficiais de Chancelaria, entre Assistentes de Chancelaria, ou entre Oficiais e Assistentes  entre é mais fácil do que com pessoas de outras carreiras? Por que?

Resposta:  Acho que o fato de as duas pessoas serem do serviço exterior no mínimo possibilita mais segurança na hora da remoção, porque existe a certeza de que ambos terão um trabalho em qualquer país. Num relacionamento em que só uma das pessoas é do SEB, a outra teria mais incertezas e poderia até ter que ficar em casa, dependendo do país onde fosse morar. Outra vantagem desse relacionamento é que ambos compartilham as mesmas dificuldades no trabalho e podem falar mal do MRE juntos. 

Pergunta: Você encontrou dificuldades por se relacionar com alguém do Ministério? Se sim, quais?

Resposta:  Não.

Pergunta: Como vocês coordenam o desenvolvimento das duas carreiras em paralelo? Essa é uma questão relevante para vocês?

Resposta: Oficial/Assistente de Chancelaria não têm carreira, então obviamente se estamos nesse cargo é porque não ligamos pra isso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pelo seu comentário!