28/09/2015

Carreira em Transição - Parte I

"Maite Barón, CEO of consultancy firm The Corporate Escape, believes that not resisting, but embracing change, is the key to success in a future world of work"

Semana passada, recebi um e-mail de uma leitora do blog, que queria saber sobre mercado de trabalho e empregabilidade no exterior para cônjuges de servidores do MRE. Infelizmente, não pude dar uma resposta muito otimista, pois temos dois grandes problemas: o exercício provisório é vedado aos cônjuges que são servidores públicos (leia mais aqui) e, não existe acordo internacional para trabalho do cônjuge no exterior, na maioria dos países (leia mais aqui). Somado a isso, muitas das carreiras que temos aqui no Brasil não podem ser exercidas no exterior por diversas incompatibilidades. Mais ainda: no retorno ao Brasil, se tivermos feito uma graduação ou pós-graduação, a revalidação do diploma acaba se tornando uma dor de cabeça.

Apontei como uma possibilidade, o trabalho à distância (leia mais aqui), mas nem sempre a área de atuação profissional permite. "E agora, José?"- pergunta-se. E eu respondo: senta e chora. Brincadeira! Pensei bastante em como me sinto em relação a essa insegurança com meu futuro profissional - já que não faço ideia de onde estarei daqui a 2, 5, 10, 15, 20 anos - e resolvi escrever uma nova série de posts, chamados "carreira em transição".  Infelizmente, não sou profissional de recursos humanos e nem tenho as respostas para as dúvidas de vocês (e nem para as minhas, ainda), mas pensei que seria legal ir pesquisando e levantando informações que pudessem ajudar a todos nós que em algum momento teremos que acompanhar nosso cônjuge/companheiro no exterior. 

Então, peço que me enviem dúvidas, problemas, angústias, etc., para que eu vá pesquisando e buscando pessoas que possam tratar sobre o assunto aqui no blog. Basta me mandar um e-mail ou deixar uma mensagem no post. E se você é profissional da área e topa falar sobre o assunto, me passe seus contatos, vamos conversar e fazer uma entrevista para o blog. 

Um primeiro passo que dei foi buscar sites que falam sobre carreiras de expatriados e encontrei um chamado Entrepreneurial Expat. Nele, vi um artigo interessante que pode ser um início de conversa sobre o assunto dos nossos futuros profissionais. Bem, em algum momento teremos* que exercer a nossa carreira no exterior ou  mudar de carreira para nos adaptarmos a um novo mercado de trabalho. Pensando nisso, traduzi o artigo que encontrei para o Português. É o que veremos adiante. Mas, antes, recomendo ler o os links:
https://www.i-l-m.com/Insight/Edge/2014/April/the-changing-world-of-work
https://www.i-l-m.com/Insight/Edge/2015/July/How-to-future-proof-your-career

*=teremos/poderemos/tentaremos/conseguiremos/não conseguiremos

Imagem: https://www.i-l-m.com/Insight/Edge/2014/April/the-changing-world-of-work.










"Três perguntas para o seu próximo passo na carreira"

Por Catarina - Sábado, 26 de setembro, 2015

"O que acontece quando você está "em transição" na sua carreira? Quando você se encontra sem emprego e não sabe bem qual deveria ser o próximo passo? Quando você percebe que, embora você não realmente não amasse o seu trabalho, ele era uma grande parte de sua vida e sua identidade?. Então o que?

Bem, você provavelmente entrará em modo de pânico. Você provavelmente se sentirá como se estivesse em um beco sem saída, sem saber para onde ir. Se você for como eu, você se sentirá como se houvesse uma grande tela em branco diante dos seus olhos, na qual você poderia pintar qualquer coisa, mas você não sabe por onde começar. É assustador. E avassalador.

Eu tenho trabalhado com uma grande quantidade de clientes que estão em transição de carreira e eu mesma já passei por isso. Então, eu sei o que eu estou falando, e vou compartilhar algumas dicas com vocês. Tenham paciência comigo. Vou chegar lá, eu prometo.

A primeira coisa é manter a calma e ser paciente.Entrar em pânico e ficar tentando encontrar uma solução "rápida e fácil", pode soar atraente, mas se você realmente quer ter a oportunidade de ver se você está no caminho certo em sua carreira, então aproveite este momento para realmente conhecer a si mesmo e o que você realmente gosta de fazer. Aqui estão algumas perguntas que você pode se perguntar, sendo que a principal delas é: O que eu realmente quero do meu trabalho? Vamos decompô-la em questões menores:

O que eu queria fazer quando criança / adolescente?

Isso não significa que você será o astronauta que queria ser quando tinha cinco anos, mas que deve olhar mais profundamente sobre isso e ver o que significava ser X (um astronauta neste exemplo), que apelo tinha para você? Era a excitação, a aventura, a ser o centro das atenções, etc? Como as crianças que são muito mais espontâneas, e nós geralmente perdemos a espontaneidade à medida que envelhecemos, cave no passado da sua memória e veja o que você você descobre.

Quais as partes do meu trabalho anterior eu realmente gostava de fazer e quais as partes que eu não gostava?

Desenhe três colunas em um pedaço de papel e anote o 'O que eu amava', 'O que eu odiava "e"O que eu tolerava". Isso ajudará você a obter clareza sobre que tipo de coisas que você gostaria de incluir em seu próximo passo na carreira, mesmo que seja em um campo completamente diferente. Ex: trabalhar com equipes, horários flexíveis, ter uma agenda, etc. Anote o tanto quanto você puder. Adicione coisas mais tarde na medida em que elas forem vindo à sua mente.

Quais são meus pontos fortes?

Isso é muito importante. Você pode conhecer bem seus pontos fortes, ou você pode ter que pedir ajuda. Pense no feedback que o seu gerente lhe deu, seus colegas, membros de sua equipe ... O que as pessoas geralmente pedem a você? Você é uma pessoa que gosta de planejar e colocar as coisas em conjunto? Ou você  é aquele para o qual as pessoas pedem conselhos?  Faça uma lista e, em seguida, pergunte a si mesmo: são coisas que você gosta de fazer e gostaria de fazer em seu próximo trabalho?

As respostas que você reunir a partir de essas três perguntas já lhe darão um monte de informações para começar a obter uma boa visão sobre o que você gostaria e o que você não gostaria de fazer no seu próximo passo na carreira. E, por agora, deixo de lado o pensamento do "rótulo", "nome do posto". Isso não importa agora."

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pelo seu comentário!