24/09/2015

Dicas sobre Home Office

A entrevista de hoje é com a Marina Sell Brik, do Go Home Office. Trata-se da divulgação de um trabalho bem legal que encontrei há algum tempo nas minhas buscas pela internet. Entrei em contato com a Marina e ela aceitou responder a algumas perguntas sobre home office. Vamos lá?

Marina Sell Brik é jornalista especializada em coolhunting (análise de tendências). Em 2006 montou seu home office e também criou em parceria com o marido, André Brik, o site GoHome, um portal para todos os interessados em trabalhar em casa. De lá para cá, o site cresceu e rendeu inúmeras entrevistas na imprensa, palestras, quatro livros, um curso gratuito e um outro exclusivo, para os que querem se aprofundar no home office. As iniciativas do casal não param de crescer e incluem uma consultoria de trabalho portátil para as empresas, o Instituto Trabalho Portátil, criado em 2010 e responsável pela implementação do home office na Abril Educação (São Paulo).


Para saber mais sobre o GoHome e home office, o site é www.gohome.com.br
Tem também o canal no YouTube (clique aqui) e a página Facebook.com/gohomeoffice
Tem outras redes também, é só conferir no rodapé do GoHome. 
Para entrar em contato, o e-mail é contato@gohome.com.br

Marina e André, do Go Home


1) O Home Office é um termo bastante contemporâneo e tem se difundido no Brasil e no mundo. Que dicas vocês dariam para quem está pensando em trabalhar de casa?

O home office é um tema que tem sido muito comentado no Brasil nos últimos anos. Vemos que em outros países como Estados Unidos e alguns da Europa o tema não é mais tão abordado porque já é algo mais comum, está tão presente no dia-a-dia das pessoas que não precisa mais ser tão abordado e esclarecido. Para você ter uma ideia, nos Estados Unidos fala-se de home office desde os anos 1970.

 O que vemos no Brasil é que as pessoas estão cada vez mais em busca de qualidade de vida e isso está fazendo com que as empresas repensem a sua forma de gerir os colaboradores. Com o auxílio da tecnologia, é muito mais lógico você realizar o seu trabalho à distância, nem que seja alguns dias da semana. Não precisa enfrentar trânsito, violência urbana, interrupções dos colegas o tempo todo. Quem trabalha em casa é até 20% mais produtivo (em algumas pesquisas falam até em 50%). Em resumo: não tem motivo para não adotar o home office. Vemos também que o pequeno empreendedor e o freelancer estão cada vez mais inclinados ao home office, o que reduz os custos de manutenção de um negócio e permite "experimentar" mais, podendo intercalar mais de uma atividade ou negócio no seu dia de trabalho.

Temos muitas dicas para trabalhar em casa, desde as mais básicas até as mais elaboradas. Vamos às essenciais:

  1. Tenha um espaço exlcusivo para o trabalho em casa. Isso ajudará você a entrar no "switch" de trabalho mais rápido (e sair também);
  2. Converse com a família sobre o home office. Explique que vai começar a trabalhar em casa e que precisará contar com a colaboração de todos;
  3. Não trabalhe de pijama. Pode parecer mais confortável, mas isso não ajuda nem um pouco a você entrar no "modo trabalho", além de ser muito pouco profissional. Isso sem falar que passar o dia todo de pijama pode acabar até te deprimindo;
  4. Trabalhe com blocos de trabalho focado e pausas programadas. Durante o bloco focado, é foco total mesmo, sem celular ou tablet por perto, e-mail desligado e redes sociais também;
  5. Saia de casa. É importante interagir com outras pessoas, nem que seja na padaria. Cuidado para não se isolar. Marcar almoço com amigos também é uma boa. 


2) Para quem tem filhos e não tem babá e nem empregado doméstico, que conselhos vocês dariam?

Primeiro, tente trabalhar no turno em que a criança está na escola. Outro conselho que ouvimos de muitas mães entrevistadas para o nosso livro Home Office & Filhos é: trabalhe no horário em que a criança dorme. Às vezes não é possível, mas pode ser uma saída. Hoje também existem vários espaços de coworking para mães, onde as crianças ficam brincando com monitores em uma sala próxima enquanto a mãe trabalha em outro cômodo. Se essa opção não existir na sua cidade, vale recorrer aos avós ou parentes mais próximos para ajudar em um dia ou outro da semana. Aí, é foco total no trabalho enquanto a criança está sendo cuidada.

Muitas mães em home office se unem e fazem "rodízios" para que uma possa trabalhar enquanto a outra cuida das crianças. Se o seu filho for um pouquinho maior, vale conversar com ele sobre o home office e pedir para que não interrompa enquanto você estiver trabalhando. Explique que você só pode ser interrompida em caso de emergência (e explique também o que é uma emergência). Vale criar uma sinalização com a criança para que ela saiba que quando o sinal estiver na porta, não pode interromper (ou tem que fazer silêncio). Muitas mães e pais também aproveitam a hora da lição de casa ou do estudo e trabalham ao lado dos filhos. É importante salientar aqui que depois do expediente você tem que deixar a cabeça no trabalho e realmente participar da rotina da criança, estar presente para ela. Elogie seu filho se ele colaborar fazendo silêncio e se comportando enquanto você trabalha. Tem várias dicas sobre este assunto lá no GoHome, é só digitar "mães" na busca do blog.


3)  O espaço do Home Office pode ser compartilhado com o espaço das crianças?

Não é o ideal, mas pode. O recomendável é você ter o seu home office em um espaço exclusivo, pode ser pequeno, mas deve ser só do trabalho. Assim, as suas anotações, documentos importantes e até o laptop ficam mais protegidos de mãozinhas curiosas, boladas, e pingos de suco (risos). Se você tiver um espaço só para o seu home office, poderá também fechar a porta e falar ao telefone com um cliente sem ruídos, por exemplo, algo impossível em um quarto de brinquedos.


4) A prospecção de clientes é um fator fundamental para o sucesso de um home office. Que dicas vocês poderiam dar?

Existem várias formas de prospectar e elas variam de acordo com o segmento. No caso de prestação de serviços, é bem comum prospectar com antigos contatos e ex-chefes, que muitas vezes acabam se tornando clientes. Avisar os amigos e a família sobre o que está fazendo e divulgar essa informação nas suas redes também ajuda a se colocar na "vitrine". Participar de eventos (networking), palestras e associações também ajuda a divulgar o seu negócio e conseguir clientes. O mais efetivo, porém, é a velha conhecida divulgação boca a boca. Quando um cliente satisfeito te indica para outro, o fechamento do negócio fica muito mais fácil. Mas este assunto rende muito, inclusive faz parte do curso avançado, tem uma aula inteira sobre isso.


5) Muitos dos leitores do nosso blog vivem no exterior, você acredita que a distância entre o Home Office e o cliente pode gerar alguns inconvenientes? Se sim, quais e como resolvê-los?

Com a popularização da tecnologia, acredito que a distância entre os países e as pessoas está ficando cada vez mais curta e irrelevante. Fazemos questão de frisar que o importante é entregar um trabalho bem feito. Gostamos da seguinte frase: trabalho é algo que se faz, não um lugar para onde se vai. Então, se você entregar um trabalho bem feito, o seu cliente vai ficar feliz, não importa onde você está, como ou quando fez. O que importa mesmo é ter qualidade e pontualidade. Simples assim. Claro que alguns clientes, especialmente no Brasil, preferem o contato face a face, aquela conversa antes e depois das reuniões, a saidinha para o happy hour. Neste caso, o que dá para fazer é manter contato visual com este cliente. Marque na agenda uma data fixa (por exemplo, a cada 15 dias) para falar com este cliente por Skype, com imagem. Não é a mesma coisa, mas ajuda. Outra solução é ter alguém que o represente na mesma cidade que o cliente. Em publicidade, por exemplo, é o Atendimento que faz esse papel. Isso também ajuda a manter o contato mais próximo. No mais, não acredito em outro inconveniente maior, uma vez que a maioria dos trabalhos pode ser entregue digitalmente. No máximo tem a questão do fuso-horário, mas aí é só tomar o cuidado de calcular a diferença.


Marina e André, do Go Home

6) Fale um pouco sobre o curso que vocês oferecem e as vantagens de fazê-lo.

O curso é o nosso grande lançamento. Deu trabalho, mas é porque fizemos questão que ele ficasse bem completo. Antes de elaborarmos o conteúdo, fizemos uma pesquisa com o público para descobrir quais eram as maiores dificuldades no home office. O curso conta com cinco vídeo-aulas gravadas e inúmeros bônus. As aulas são: 1. Como começar 2. Clientes 3. Rotina e Desafios 4. Família 5. Dinheiro. Quem faz o curso ganha mais de 10 bônus durante as aulas, além dos ebooks "130 ideias de negócios para montar em casa" e "As dicas do home office".

O curso conta com vários depoimentos de outros home officers e certificado digital com o selo da ABED (Associação Brasileira de Educação à Distância). Tem mais uma série de vantagens, é mais fácil ir até o link para dar uma olhada: http://www.gohome.com.br/sobre_curso_avancado/

E o mais legal é o seguinte: vamos dar um desconto exclusivo que só vai valer para o dia 29 de setembro, próxima terça-feira. Os primeiros 10 inscritos no curso pagarão apenas metade do valor do Curso Avançado, é um desconto de 50% só nesse dia! Estamos avisando com exclusividade no seu blog, só avisamos os nossos seguidores por e-mail. Como recebemos muitos e-mails de interessados que estão sem muitos recursos no momento, pensamos em viabilizar este sonho de trabalhar em casa. Trabalhar em casa é tudo de bom, mas é preciso ter método para que não vire um pesadelo! Espero ter ajudado de alguma forma com as minhas respostas e espero encontrar todas as leitoras e leitores também no GoHome ;)

Grande abraço, Marina.


Só chamando a atenção: na próxima-terça feira (29 de setembro de 2015), as primeiras dez pessoas que se matricularem vão receber um DESCONTO DE 50% no curso completo. 



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pelo seu comentário!