23/05/2016

Como é a festa à fantasia do IRBr

Já me perguntaram algumas vezes - especialmente porque sempre publico as fotos nas redes sociais - como é a festa à fantasia que os alunos do Instituto Rio Branco organizam para os seus "calouros", todos os anos. Então, decidi escrever este post, para colocar de forma organizada todas as informações.

Inicialmente, é importante dizer que a festa é aberta não só a todos os funcionários do MRE, mas também a qualquer pessoa que tenha interesse em participar. Cada edição da festa é diferente das anteriores, pois toda a organização depende da turma que já está de saída (ou acabou de sair) do IRBr e que recepciona os recém ingressados e homenageia seus veteranos. 

Tenho participado de todas as edições desde 2009. Não perdi nenhuma e posso dizer que o toque de personalidade de cada turma é visível quando da realização da festa. A primeira questão, que denota os perfis das turmas, é a escolha do tema. O tema determina não somente as fantasias, mas a decoração, a comida e a música. Os temas mais recentes, foram:


Festa de 2016, em homenagem aos que ingressaram em 2015


Festa de 2015, em homenagem aos que ingressaram em 2014.

Festa de 2014, em homenagem aos que ingressaram em 2013

Em 2013, não teve festa à fantasia, devido à data do concurso.


Festa de 2012, em homenagem aos que ingressaram em 2012.


Festa de 2011, em homenagem aos que ingressaram em 2011.


As principais diferenças e semelhanças entre as festas de 2011 a 2016


Em alguns anos, foram duas pistas com DJs que tocavam, simultaneamente, estilos diferentes de música, como foi o caso da festa "Do Lounge à Laje" (2011) ou "De Hollywood a Bollywood" (2015). Em outros anos, havia duas pistas, mas com tema determinado, como foi o caso de "Delírio Tropical" (2014), que optou pelo tropicalismo. 

Na festa "De Brasília à Gotham City" (2016),  um bloco de carnaval foi a atração extra da festa; na "De Hollywood a Bollywood" (2015), uma artista performática foi a mestre de cerimônias e houve concurso de fantasias; na "Delírio Tropical" (2014), uma banda tocou músicas brasileiras ao vivo; na "Do Lounge à Laje" (2011), teve um grupo de forró e de axé tocando ao vivo. 

O evento foi open bar em todas as edições nas quais estive presente e já esteve à cargo do Funny Show Bar (2016),  Dancing Bar (2015), Bartino Open Bar (2014).

A festa foi open food até 2014, mas deixou de sê-lo em 2015, quando optou-se pelo food truck. Quando o evento era open food, na "Delírio Tropical" (2014), foi servido ceviche e outros tira-gostos tropicais, na "Mocinhos e Bandidos" (2013), tinha cachorro quente e opções de salgados; na "Do Lounge à Laje" (2011), teve churrasquinho e aperitivos. Na festa "De Hollywood a Bollywood" (2015), quando houve a transição, forram oferecidas guloseimas típicas das salas de cinema (incluindo pipoca), além dos trucks.  A partir do momento em que o food truck foi definitivamente introduzido, na festa "De Brasília à Gotham City" (2016), os trucks à disposição foram: Master Truck, Chez Mi Churros e Samurai Truck.

A música das festas sempre esteve a cargo de DJs e VJs. Na  festa "De Brasília à Gotham City" (2016), quem estava à frente das pickups foram a dupla de DJs "She's my fave" que tocavam na festa Play, Dyke-se e no Velvet Pub; e o DJ Igor Fearn tinha uma pegada mais ano 80 e 90. Na "De Hollywood a Bollywood" (2015), DJ Maya, que tocava no Victoria Haus; DJ Pezão, do Criolina; DJ Tony Carvalho; DJ Igor Fearn, e DJs Tonny Carvalho e Helio Weirdo, residentes na Play. Na "Delírio Tropical" (2014), os DJs que tocaram foram Nagô, Pezão, Tamara Correia, Pati Merenda, Ops, Nada, Karla Testa, VJs Niberas, Oga Julia e Mari Mira.

Em termos de diversidade fotográfica e de redes, na festa de 2016, havia cabine de fotos instantâneas; na festa de 2015, a fotógrafa contratada publicou as imagens na página do evento. Em 2015, foi criada uma conta no Instagram (festaafantasia.irbr), em 2012, foi criada uma página no Facebook (festaafantasia.irbr).


Público das festas

De modo geral, o público são jovens diplomatas, seus(suas) respectivos(as) e amigos(as), aspirantes à carreira de diplomata e, eventualmente, professores do IRBr e dos cursinhos preparatórios para o CACD. Como a festa é aberta todos que quiserem participar, também temos outras gamas de perfis, mas esse é o predominante. As festas são sempre muito animadas, e muito pacíficas também. Nunca presenciei nenhuma discussão em nenhuma das edições. Percebe-se que há respeito mútuo entre os que estão ali, então, as pessoas se divertem, dançam e entram no clima do tema e das fantasias sem preocupações.


As fantasias

Tem fantasia para todos os gostos. Desde quem pegou uma roupa em casa e montou uma produção de última hora, passando por quem alugou em uma loja ou pegou emprestado, até quem fez a fantasia sob encomenda.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pelo seu comentário!