10/08/2016

Entrevista com o professor Daniel Araújo




Hoje entrevistaremos o professor Daniel Araújo, autor de "Onde a Arena vai mal, um time no Nacional" e do livro de História Geral pela Coleção Diplomata. Daniel é carioca, formado em História pela Universidade Federal Fluminense (UFF), pós-graduado em História da África e do Negro no Brasil e mestre em História, com o tema da Ditadura Civil-Militar, professor do Colégio e Curso pH e do Curso Clio.


Conte-nos um pouco sobre sua formação acadêmica e experiência como professor de história e para o CACD.
Sou formado em História pela UFF e fiz pós-graduação em História da África e do Negro no Brasil. Nos dois cursos, estudei a intervenção cubana na guerra civil angolana (1975-2002). Depois mudei o foco, pois no mestrado estudei sobre a Ditadura Civil-Militar. Como fruto do mestrado, publiquei o livro "Onde a Arena vai mal, um time no Nacional" (http://m.travessa.com.br/produto.aspx?codartigo=96eb4de2-490d-4fe3-aa63-1d918e81f819). Sobre a experiência em sala de aula, desde 2002 eu dou aula em uma das maiores escolas particulares do Rio de Janeiro, o Colégio e Curso pH. No final de 2009, início de 2010, o professor João Daniel de Almeida, referência na preparação ao IRBr, fez o convite para entrar no Curso Clio. Fui recebido com carinho pelos colegas (muitos passaram pelo pH também, então foi um reencontro) e cá estou até hoje. Posso dizer que sou uma exceção na profissão, pois me sinto muito bem nos dois empregos que eu tenho.


Você lançou recentemente um livro de História Geral pela Coleção Diplomata, da Editora Saraiva, organizada por Fabiano Távora. Conte-nos um pouco sobre a organização e os objetivos da obra.
Tudo começou em 2012 com o convite do Fabiano Tavora via Rodrigo Goyena, o autor do manual de História do Brasil. Conversamos na tradicional Livraria Da Vinci e, dali, saiu o esboço. Como lançar um livro nos dias de hoje é uma tarefa hercúlea, a obra demorou quase quatro anos para ser lançada. Pronta não digo pois todo livro é uma "obra em construção". O objetivo é facilitar a vida do candidato ao IRBR. Ao longo do curso eu recomendo vários livros para o aprofundamento daquilo que é passado em sala de aula. Isso é caro e muito difícil para alguns, principalmente para aqueles que trabalham. Reunindo tudo em um só volume e de forma mais didática possível, meu objetivo é levar a aula para a casa do candidato.


Você recomendaria a obra para quem está começando e busca por um ponto de partida, ou para um estudante mais avançado, que quer revisar a matéria, sedimentar  e sistematizar o conhecimento?
Para os dois tipos de alunos. Pensei em uma escrita fácil para o iniciante e que também trouxesse algo de novo para aquele que já está "avançado" nos estudos. Bom, ao menos foi isso que planejei :)


Você acredita que, dentro do conteúdo programático de História do Brasil do CACD, qual é o período mais complexo de ser estudado?
Olha, período mais difícil...muitos alunos ainda ficam "travados" com o Segundo Reinado. É muita informação nova para eles. Eu dou aula no Ensino Médio e posso afirmar: a aula é outra. Então, é normal a reação dos alunos. Na minha sexta aula de História do Brasil, falo de gabinetes do Império. Ao final da aula, sinto que muitos alunos pensam: "Desisto hoje ou não?". Ao final das 20 semanas iniciais eles sentam comigo e ficam rindo desse momento. É quando eles percebem a linha que separa o Ensino Médio para a nossa preparação para o IRBr.


E qual seria o período mais controverso?
Mais controverso... posso escolher dois? Ditadura Civil - Militar (ou Ditadura Militar, ou Revolução de 1964, ou Regime Militar, escolhe aí) e a Era Vargas. Sobre o último tema, perco alguns minutos diferenciando as visões sobre trabalhismo e populismo


Teria alguma dica para quem pretende começar a estudar história do Brasil?
Paciência. Você definitivamente não vai aprender tudo o que precisa para o concurso em seis meses.


Daniel, o Brasil é para iniciantes?
Definitivamente não!!! Tem uma bela frase do Tim Maia sobre o Brasil mas, por questões éticas, não posso reproduzir aqui. Deixo o "pai Google" fazer o seu trabalho.


Em relação à História Geral, quais são os maiores percalços para os estudantes?
O grande desafio de História Geral, que agora eles chamam de Mundial, é que pode cair definitivamente tudo: desde o concretismo arquitetônico, passando pela princesa Cixi e a Reforma dos Cem Dias Chinesa, chegando à independência do Suriname. Então o candidato sempre tem que se preparar para o ineditismo.


Como é possível estudar História Geral (Mundial) em um contexto de imprevisibilidade?
Essa é uma difícil missão. O candidato tem que estar preparado para ler muito sobre tudo. Ter uma cultura geral. O professor, em sala de aula, simulados e exercícios pode estimular isso - muitas vezes fomos criticados no Clio por fazer isso. Mas esse é o caminho que foi gradualmente abandonado pela banca e que voltou com todas as forças em 2016.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pelo seu comentário!